sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Antologia Contos Ilustrados

 
 
As atividades do mês de janeiro da Casa-Museu João de Deus culminam com a apresentação do livro “Contos Ilustrados” de alguns dos nomes mais representativos do panorama literário algarvio, que terá lugar no dia 23 na CMJD. Da autoria de António Manuel Venda, Fernando Esteves Pinto, Fernando Pessanha, Paulo Moreira, Paulo Kellerman, Pedro Afonso e Vítor Gil Cardeira a obra, publicada pela editora Lua de Marfim, conta com ilustrações de José Bivar, Paulo Serra, Gilda David, Inês Ramos, Reinaldo Barros, Sara Ceriz e Adão Contreiras. No seu prefácio, Miguel Real relata na primeira pessoa que “da sua leitura o prazer, causado pela singularidade rara de cada história, inundará a consciência fazendo-a vibrar de um modo intenso, forçando-a à reflexão através da diversão”.
 

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

domingo, 20 de setembro de 2015

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Raias Poéticas



RAIAS POÉTICAS: AFLUENTES IBERO-AFRO-AMERICANOS DE ARTE E PENSAMENTO

 23 - 24 OUTUBRO
CASA DAS ARTES- VILA NOVA DE FAMALICÃO

CURADORIA: LUIS SERGUILHA
Organização: Associação RAIAS-POÉTICAS

Apoio: Câmara Municipal de VILA NOVA de FAMALICÃO

 PROGRAMAÇÃO

DIA 23 OUTUBRO

 16h30 ___ANARGÂNIAS PICTÓRICAS

 C/ Isac Romero Gonzalez, Raquel Fortes, José António Passos, Luciano Oliveira

17h30

 Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão

 Dr. Paulo Cunha

18h30

 Raias SONORAS:

 C/ Marta Lopez-Villar(ESP); Sara Canelhas(PT); João Afonso Machado(PT);Maria Sameiro Barroso(PT); Paola D’Agostino(PT); Fernando Esteves Pinto(PT); Patrícia Baltazar(PT); Sonia Betancourt(ESP); Maurício Vieira(BR); Claudia R. Sampaio(PT); Gab Marcondes(BR)

19h30

 DOBRAS-de-PENSAMENTO

 Filosofia-Ciência-Poesia: contaminações entre a sombra da antiguidade e os espelhos-moventes do devir

 C/ Maria Jose Martin Velasco(ESP); Ana Maria Oliveira(PT); María Angeles Péres Lopés(ESP)

 Surfista: Cláudia Lucas Chéu(PT)

 DIA 24 OUTUBRO

10H00

 DOBRAS-de-PENSAMENTO

 Não existem escritas, mas desescritas e ex-critas: mergulhar em tudo que escapa!

 C/ Jorge Valentim(BR); Cristina Carvalho(PT); Isabel Cristina Rodrigues(PT); Celina Silva((PT)

 Surfista: Rita Taborda Duarte(PT)

 12h00

 RAIAS SONORAS

 C/ Jorge Fragoso(PT);Bernardino Guimarães(PT); Aurelino Costa(PT); Jaime Rocha(PT); Charo Ruano(ESP); Rita Taborda Duarte(PT); María Angeles Péres Lopés(ESP); Cláudia Lucas Chéu(PT); Fê-LUZ(BR)

 15h00

 DOBRAS-de-PENSAMENTO

 O poema e o irrepresentável: dobradura vertiginosa, rumores imanentes!

 C/Luís Adriano Carlos(PT); Montserrat Villar Gonzalez(ESP); Isabel Ponce de Leão(PT); Pires Laranjeira(PT)

 Surfista: Ana Maria Pereirinha (PT)

 17h00

 RAIAS-SONORAS

 C/ Ana Mafalda Leite( MOÇAM.); José-Emílio Nelson(PT); José Jorge Letria(PT); Rute Castro(PT); Cristina Carvalho(PT); Miguel Cardoso(PT); Jorge Melícias(PT); Victor Cardeira(PT); Jorge Sousa Braga(PT); Vírginia do Carmo(PT); Joana Emídio Marques

 18h00

 DOBRAS-de-PENSAMENTO

 Cinema e poesia, forças estéticas em movimento!

 C/ Luís Filipe Sarmento(PT); Luisa Monteiro(PT); Lidia Mello(BR)

 Surfista: Teresa Carvalho(PT)

 19h30

 RAIAS-SONORAS

 C/ Ana Paula Tavares(ANG.); Santiago Aguaded Landero( ESP); Jorge Velhote(PT); José Rui Teixeira(PT); Diana Pimentel(PT); Xavier Frias Conde(ESP); Emma Fondevila(ESP); Emilio-Germán Muñiz Castro(ESP)


quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

QUE DIZEM OS POETAS ALGARVIOS E ANDALUZES DE AGORA? - 18

 
 

Por FERNANDO CABRITA

ÁREA AFECTADA – Fernando Esteves Pinto
ARTE MENOR - Vicente Vegazo

O mistério da poesia é um dos enigmas sobre ao quais seguramente mais se terá escrito. Um poema, uma simples quadra, um verso que seja, dão debate, motivam palestra, geram análise, fornecem tratados inteiros a tentar penetrar no âmago desse fenómeno. Literatos, estudiosos, críticos e simples curiosos dissecam o poema e o fenómeno poético, em busca do sentido último, do cerne, do núcleo oculto, do dom misterioso.
Como escreveu já Ramon Nieto num artigo que recordo da minha adolescência, se a literatura/poesia não serve para nada, não se compreende porque é que um livro provoca mais receio do que um maço de algodão ou um pôr do sol. Em contraponto, diria Jean Cocteau, aliás citado por um dos dois poetas a que hoje aqui aludimos: a poesia é imprescindível; e eu gostaria de saber para quê.
Os dois livros que agora nos ocupam, percorrem ambos esse caminho da poesia que se interroga a si mesma. Os poemas querem desvendar o mistério: o que é a poesia? Para que serve a poesia? Perguntas que surgem, de passo com a criação poética e a elaboração do texto, mas obviamente sem resposta definitiva. Cada dos autores adianta as suas ideias, as suas possíveis explicações; mas é claro que o mistério, a final, persiste e persistirá.
Fernando Esteves Pinto não precisa de apresentação. É poeta cuja obra vai para além da poesia, abarcando o romance e a novela; e é também editor. Neste seu livro, Área Afectada, há uma escrita cerebral que de página para página decorre à volta dessa questão, aliás anunciada como um propósito no poema de pág. 22: «Pensar a linguagem do poema./Despertar no corpo da língua/ um circuito cerebral.» No fundo, é essa a interrogação do autor, enquanto cria: «em que lugar do pensamento construir o poema?/ Em que silêncio está a escrita do silêncio?» Em alguns textos penso encontrar algo de Salette Tavares, que o autor todavia me confessou não havia lido; mas que transmite a mesma ideia no seu Lex Icon, velhinho de décadas e sempre actual. Onde Salette declarava: «Dêem-me palavras que eu descobrirei as coisas/ dêem-me coisas que eu descobrirei as palavras/ Entre as palavras e a coisa o intervalo é nenhum/ palavra ou coisa a eloquência pertence-lhes: à palavra porque diz a coisa/ à coisa porque diz a palavra», Esteves Pinto diz, com o mesmo poder poético e analítico, «o objecto dá à palavra o sentimento da língua. /Um rumor de água e de música que o corpo/ vai gravando na efémera lucidez. / O objecto é o estado sólido da fala» (…) – pág. 5.
É a mesma inquietação, apesar de vazada em forma de resposta. Mas são, claramente são, perguntas que ali sobrejazem: de onde vem a música das palavras feitas verso? Que poder próprio as move? Que relações existem entre o pensamento, a palavra, a luz, os objectos? Há um pensamento prévio à escrita, ou ela e ele são coevos, simultâneos, construindo-se enquanto se produzem? Cito o poema de pág. 53: «Improvisas uma forma de aceitação enquanto escreves.» Ou o de pág. 29: «escrevo como que penetro o ruído/ da luz trabalhando o pulso.»
E nesta pesquisa sobre o sentido e as relações entre pensamento e palavra, entre língua e objecto, surgem naturalmente os demais factores: o corpo, cantado com profundidade ao longo do livro, mas com extensa claridade nos poemas da pág. 20, 27, 31, 35, 43 e 56; e a memória, o silêncio e – acima de tudo – o tempo. O poema no tempo. «Inclinada no tempo, a noite devora o rosto» (pág. 32). Dessa destruição nascem ausências, perdas; e nasce e perde-se também o poema. «Um poema destrói-se de ausências» (pág. 27). Porque, diz Esteves Pinto, «o tempo passeia-se ao acaso entre colheitas de palavras» ( pág. 24).
Já Vicente Vegazo, escritor de Sanlúcar de Barrameda, Cadiz, sendo igualmente um escritor cerebral (a que não serão alheias as suas qualificações em Filologia Hispânica, o seu professorado em Língua e Literatura Castelhana e a sua actividade de congressista e publicista sobre a fim da República Espanhola), já este autor, dizia, interroga a poesia com descrédito: Que poema mejoró al hombre? (pág.13). Ou, de forma mais crua, un poema no sirve para cancelar el dolor (pág.26).
Daí o título da obra, Arte Menor, que apouca a criação poética. Trata-se, todavia, de um premeditado engano. Um logro conscientemente elaborado. Pôr em causa a poesia, declarar que o poeta vive engañado, que seria talvez de festejar si llegara el dia en el que escribir dejara de ser una celebracion (pág. 58), é uma tese que corre o intertexto, mas que se expõe… em poesia. E daí que naturalmente tenhamos que recordar Pessoa e declarar que Vicente Vegaza, como verdadeiro poeta, é um fingidor. O que o autor gaditano sabe. Ele mesmo inicia assim o seu poema VIII, a pág. 22: El poeta fingira hasta consigo mismo(…).
E embora o tom do livro se mantenha ao longo de toda a obra, levantando o estandarte da vida contra o estandarte da poesia (Da la impresion de que algunos poetas/ como los peces/ no saben que afuera está la vida(…) - pág.35; ou cuando has desertado de la vida/ cuando has preferido refugiarte/ en algun desierto o en el vuelo de las metáforas – pág 46), apesar desse aparente conflito, a leitura demonstra que a poesia é, afinal, a verdadeira razão deste livro. O seu mistério, a sua profunda inquietação, as interrogações que põe. Acima de tdoas esta: para que serve um poema? E nesse suposto confronto entre a vida e a arte, na verdade não há confronto. Uma não vive sem a outra. Daí que Vegaza cante também, com iniludível força poética e com uma concisão assinalável – marca, aliás, da sua poética –, os mendigos e os tristes a que a poesia é alheia, como esse de pág. 27. Vida e poesia. Poesia e vida.
E esse é talvez o grande mistério que se não desvenda.
Y a pesar de todo, nos consuela/ creer en la poesia,/ lo mismo que en una metafísica. /Y tenemos fe en ella/ anque nos sea imposible/ meter el dedo en su llaga/ y las pruebas desmientan/ su luz o la salvación. (pág.68).
Área Afectada é uma edição de Temas Originais, de 2010; e Arte Menor foi editada em 2007 pelos Libros de Bolsillo de la Deputacion de Cádiz.
 

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

quinta-feira, 24 de julho de 2014

segunda-feira, 9 de junho de 2014

sábado, 31 de maio de 2014

domingo, 13 de abril de 2014

quinta-feira, 13 de março de 2014

quinta-feira, 6 de março de 2014

Hotel Anaidaug - o filme

 


 Paradoxon Produções adapta para cinema Hotel Anaidaug, de Fernando Pessanha

      Hotel Anaidaug, o mais recente livro do pianista e escritor algarvio Fernando Pessanha, será adaptado para cinema pela Paradoxon Produções, produtora independente radicada no Algarve desde 1997. De acordo com o autor de Hotel Anaidaug, o interesse do realizador Hernâni Duarte Maria surgiu de forma natural, na medida em que já anteriormente havia sido estabelecido um contacto no sentido de Pessanha integrar a banda sonora de algum dos projectos da produtora algarvia. O argumento do livro, inspirado na história do mais antigo hotel do Algarve – o Hotel Guadiana – recebeu o pronto interesse da Paradoxon, que actualmente se encontra no processo de pré-produção desta curta-metragem de estilo assumidamente noir, e que será rodada em Faro e em Vila Real de Santo António. De salientar que a banda sonora do filme estará a cargo de Fernando Pessanha e contará ainda com a participação de outros músicos, nomeadamente, Iládio Amado, colaborador assíduo desta produtora independente.

A Paradoxon Produções é actualmente constituída por Hernâni Duarte Maria e Pedro Noel da Luz (direcção de fotografia/realização). Os filmes e a divulgação do cinema no Algarve continuam a ser os seus principais objectivos.

blog oficial http://camaradefilmar-paradoxon.blogspot.pt




segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Colecção Onda Curta - 4águas

 


Fernando Pessanha lança novo trabalho intitulado

“Hotel Anaidaug”

    

"O Arquivo Histórico Municipal de Vila Real de Santo António recebe, no próximo dia 10 de Janeiro, pelas 18:00, a inauguração da exposição de ilustrações “Hotel Anaidaug/Encontros Improváveis”, de Artur Filipe, e a apresentação do livro “Hotel Anaidaug”, de Fernando Pessanha.
A exposição, que ficará patente ao público até dia 31 de Janeiro, consiste no conjunto de ilustrações que o artista produziu para as obras de ficção de Fernando Pessanha. De acordo com o escritor, o novo livro, “Hotel Anaidaug”, consiste num «breve enredo inspirado na história do mais antigo hotel do Algarve, porém, uma história alternativa, já que tem lugar numa realidade paralela». A obra, publicada pela editora 4Águas, faz parte da colecção “Onda Curta” e já tem várias apresentações marcadas em Portugal e em Espanha. A apresentação no Arquivo Histórico Municipal de VRSA está a cargo de Luís Romão e contará com a presença do editor da 4Águas, Fernando Esteves Pinto". 
 

terça-feira, 19 de novembro de 2013

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Salão do Livro de Huelva - 2013


VII SALON DEL LIBRO IBEROAMERICANO DE HUELVA

OCIB Otoño Cultural Iberoamericano

Huelva 15, 16, 17 y 18 de Octubre de 2013


MARTES 15 DE OCTUBRE

17:30h. Calle Mora Claros frente a la Fundación Caja Rural del Sur

Actuación del grupo de danza y folclore de Colombia

18:30h. Fundación Caja Rural del Sur  c/ Mora Claros 4-6

Inauguración

19:00h.

Mesa redonda: El libro electrónico en Andalucía Juan José Téllez (Director del Centro Andaluz de las Letras) Javier López (Secretario de la Federación Andaluza de Libreros) y Vicente Luis Mora

20:00h.

Cata de libro, jamón y vino: Las cenizas de abril novela de Manuel Moya (España)

23:00h. Bar 1900 c/ Garcia Fernández nº 10

Recital poético de Mª Isabel Benet  (México) Poemas bordados sonoros de México y John Harold Davila García (Colombia)

 
MIÉRCOLES 16 DE OCTUBRE

10:00h. IES de Huelva

Encuentros con el Autor: Silvana Tobón (Colombia), John Harold Dávila García (Colombia), Margarida Vale de Gato (Portugal) Manuel Moya (España) y Mª Isabel Gómez Benet (México)

12:00h. Biblioteca Pública Provincial Avda. Martín Alonso Pinzón nº 16

Documental: Mujeres no contadas (49') de Ana Cristina Monroy Berneche (Colombia)

18:00h. Fundación Caja Rural del Sur  c/ Mora Claros 4-6

Documental Guatapurí, Río de Agua Fría, la leyenda (50') de Gabriel Turriago (Colombia) y Silvana Tobón (Colombia)

19:00h.

Mesa redonda Correntes d´Escritas y la literatura portuguesa actual con Manuela Ribeiro (Portugal), Afonso Cruz (Portugal) y  Margarida Vale de Gato (Portugal) Modera Manuel Moya (España)

20:00h.

Cata de libro, vino y jamón: El examen novela de Marcos Gualda Caballero (España)

23:00h. Bar 1900 c/ Garcia Fernández nº 10

Recital poético de Etnairis Ribera (Puerto Rico) Manuel Moya (España), Silvana Tobón (Colombia) y concierto de John Harold Dávila García (Colombia)

 
JUEVES 17 DE OCTUBRE

10:00h. IES de la Provincia

Encuentros con el Autor: Silvana Tobón, (Colombia) John Harold Dávila García (Colombia), Margarida Vale de Gato (Portugal) Manuel Moya (España) y Mª Isabel Gómez Benet (México)              

12:00h. Biblioteca Pública Provincial Avda. Martín Alonso Pinzón nº 16

Documental: Este pueblo necesita un muerto (48')  de Ana Cristina Monroy Berneche (Colombia)

18:00h. Biblioteca Pública Provincial Avda. Martín Alonso Pinzón nº 16

Documental: Desde diversas orillas (57')  de Ana Cristina Monroy Berneche (Colombia)

19:00h.

Presentación de la novela Mi vida con Plotach de Inma Luna (España)

21:00h Gran Teatro

Coplas del buen amor del Arcipreste de Hita

con Marisol Membrillo y Ricardo Luna y la música de Mabel Ruíz y Carlos González

Dirección de Manuel Canseco y Dramaturgia de Antonio Serrano

23:00h. Bar 1900 c/ Garcia Fernández nº 10

Recital poético de Margarida de Vale Gato (Portugal), Alejandro Luque (España), Inma Luna  (España) y concierto presentación del disco Coordenadas de Juan Luis Pineda y Alejandro Luque (España)

 
VIERNES 18 DE OCTUBRE

10:00h. Biblioteca Pública Provincial Avda. Martín Alonso Pinzón nº 16

Encuentros con el Autor: Inma Luna (España), Alejandro Luque (España) y Tiago Nené (Portugal)

12:00h. Biblioteca Pública Provincial Avda. Martín Alonso Pinzón nº 16

Documental: Por si se te olvidó mi letra (49')  de Ana Cristina Monroy Berneche (Colombia)

18:00h. Fundación Caja Rural del Sur c/ Mora Claros 4-6

Recital de Mª Isabel Benet (México) Renacimiento en el Súper

19:00h.

Presentación del libro de relatos Encontros improváveisde Fernando Pessanha (Portugal), presentan Tiago Nené y Fernando Esteves Pinto (Portugal)

20:00h.

Cata de libro, vino y jamón: A(mar)es poemas de Etnairis Ribera (Puerto Rico)

 
Exposiciones

Sala de exposiciones de la Caja Rural del Sur

Artistas colombianos: Diana Tabares Metrópolis estructuradas y Alberto Vélez Agua y oxígeno para el planeta

Los lugares de Pessoa Casa Museo Fernando Pessoa de Lisboa

 
Participantes:

PORTUGAL                     
 
Afonso Cruz                     
Fernando Pessanha                
Fernando Esteves Pinto       
Tiago Nené                             
Manuela Ribeiro                                           
Margarida Vale de Gato                                                                      
Marcelo Teixeira 
 
COLOMBIA
 
Alberto Vélez
Silvana Tobón 
Diana Eugenia Tabares Gil
Erica Lorena Arroyave Arenas
John Harold Davila Garcia
 
ESPAÑA
 
Alejandro Luque
Marcos Gualda Caballero
Inmaculada Luna
Juan Luis Pineda
Juan José Téllez Rubio
Manuel Moya
Vicente Luis Mora
Javier López
 
MÉXICO
 
Mª Isabel Benet
 
PUERTO RICO
 
Etnairis Rivera
                                                                                

                                                                                                                                                             
Colaboran:

Universidad Internacional de Andalucía

Universidad de Huelva

Consejería de Educación, Cultura y Deporte de la Junta de Andalucía

Ayuntamiento de Punta Umbría

Casa Museo Fernando Pessoa de Lisboa

Denominaciones de origen

 

sábado, 31 de agosto de 2013

Encontros Improváveis

 

Presentacion del Libro “Encontros Improváveis”,

del escritor português Fernando Pessanha, en la Biblioteca Provincial de Huelva

 Se trata de una obra de ficción, escrita por Fernando Pessanha, y la cual ha sido presentada en los últimos meses por escritores portugueses, como José Carlos Barros, para quien el libro tiene un “hilo narrativo delicioso "o Tiago Nené, para quien el libro revela una "reflexión en la que se indaga continuamente la función de ser, la temporalidad y la existencia en el mundo". Según el autor, "Encuentros improbables" se presenta como una obra ", donde aparentemente las distintas historias terminan siendo interconectadas a través de acontecimientos que influyen en la experiencia de los distintos personajes que componen los diferentes planes de acción. En general, la trama se presenta como un "microcosmos" que tiene como fondo la complejidad de las relaciones humanas, sociales y la manera sutil como estas son determinantes en la vida de terceros."

Esta obra, publicada por Ediciones Mandil, cuenta con las ilustraciones del artista farense Artur Filipe. La presentación estará a cargo de Diego Mesa, coordinador del taller" Cátedra José Saramago "y se llevará a cabo el 25 de septiembre a las 20:00 horas, en el Salón de la Biblioteca Provincial de Huelva ".
 

sexta-feira, 26 de julho de 2013

leituras

 



Dois autores:

 

Fernando Esteves Pinto (FEP), nascido em 1961, natural de Cascais e residente no Algarve (Olhão) há várias décadas, autor sobejamente conhecido e integrado no grupo da nova geração de talentos nacionais (José Luís Peixoto, Walter Hugo Mãe, Gonçalo M. Tavares e José Carlos Barros, etc…) com várias obras publicadas e premiadas na área da poesia, romance e ensaio. Também Editor (revista de literatura Sulscrito e 4aguas).

 

Fernando Pessanha (FP) nascido em 1980, natural de Vila Real de Santo António, músico, compositor e historiador (“A cidade Islâmica de Faro”edições Mandil 2013), membro da CEPHA; sendo “Encontros Improváveis” a sua primeira obra de ficção.

 

Com uns representativos 20 anos de diferença na idade, estão, no entanto, os dois autores, irmanados por“improváveis” afinidades e cumplicidades geradas no quadro da movida cultural do Portugal democrático e Europeu contemporâneo, sobretudo a partir da mudança de paradigma que desde os anos 80 veio anunciar uma sociedade pós-industrial e de informação assente no sector terciário dos serviços e de classe média generalizada. Sociedade mais a fim de estabelecer laços e cumplicidades intergeracionais, culturais, raciais etc… do que os tradicionais blocos classicistas assentes em posturas de cariz ideológico e sectário, actualmente tidos como redutores e castrativos, produtos ultrapassados da lógica modernista das sociedades industrializadas e tecnocráticas anteriores à nova sociedade de informação.

 

Nascidos e criados em famílias oriundas do mundo estratificado do trabalho com poucos ou nenhuns recursos literários (casa sem livros), obrigados a assegurar desde cedo a sua autonomia e subsistência, entram no mundo da criação resgatando o tempo às rotinas da vida profissional, criando nas horas escassas, nos intervalos da labuta. (Património Bukowski de FEP; Os Machados, A Livreira e o Escritorde FP).

 

A pressão de uma situação, a todos os títulos periférica e suburbana, resultante dessa condição socioeconómica e cultural vai-se reflectir no enfoque social da sua produção marcada pelo desencanto, pelo morbos de uma redução existencial gerada numa ausência de futuro ou ideal, condição assaz comum nas recentes gerações das sociedades ocidentais em capitalismo terminal (Saga in FEP e A Livreira e o Escritor in FP). É neste clima que ambos os autores se movem numa estratégia de distanciamento pela ironia e de exploração mórbida das relações sociais marcadas pelo abandono dos sujeitos ao solipsismo narcísico e autista de um ambiente em constante mutação. Impossibilitados de estabelecer afectos estáveis e desejáveis, caem num universo de incomunicabilidade, inclusive consigo próprios (culto do silêncio e do vazio), gerador duma sensação de sortilégio e acaso marcados pelo absurdo e equívoco nos encontros/desencontros sempre improváveis, algo inúteis e desviantes da amalgama urbana da vida acelerada da competição generalizada (Observação do Pensamento,Saga, in FEP; e todo o livro de FP). Traços de carácter que se foram instalando na modernidade, com autores como Kafka, Poe, Pessoa, passando por Joyce, Becket, Sartre, Camus, Vergílio Ferreira, entre muitos outros, onde é patente a progressiva perda dos referentes que durante séculos apoiaram a narrativa literária.

 

Deus, o Homem, a comunidade implodiram sob a pressão do progresso tecnológico isolando o sujeito numa orfandade ôntica, dir-se-ia amnésica, afundando-o num niilismo sem recurso. O expressionismo brutalista e surdo deste modo existencial parece ser a única forma de comunicação pessoal e interpessoal (Saga, Coração da Cidadein FEP; A Psicóloga, O Acidente, in FP). O grito (lembrando o quadro de Munch e o não menos emblemático poema o UIVO de Alan Guinsberg), único esgar audível num universo nocturno povoado de fantasmas/zombies que circulam penosamente saindo e entrando na vida dos afectos como assombrações, num sonâmbulo microcosmos tão vivido quanto sonhado. O romance negro manifesto no goticismo de um Poe trespassa o clima de alguns contos de Pessanha (O Acidente), que surrealizando kafkaniamente (A Psicóloga), ora lançando-nos na teia dos equívocos Camusianos (A Madrasta; Os Machados) ou, na vertigem do sortilégio Sartiano (A Prima) vai-nos envolvendo no clima de uma psicologia existencial, especialidade fenomenológica comum à densa prosa de auto interpretação de Fernando Esteves Pinto, como em (Observação do Pensamento), acentuando a afinidade de ambos os escritores a uma abordagem de teor existencial.

 

É também recorrente a presença nas páginas das duas obras da única e fatal âncora do sujeito em desagregação: O Corpo Erotizado (A Madrasta, A Prima, Os Machados, de FP; Bukowski e Lydia Vance, Saga, Coração da Cidade de FEP). Centro vulcânico da compulsão sexual, o corpo, que exacerba e requisita em desespero salvífico, o eu concreto e coisificado, centro sensitivo, poço escuro da volúpia emocional e presencial do sujeito.

 

Dois autores cuja obra difere no estilo, recursos narrativos, maturidade e formação assinalando uma variação geracional do “estado de consciência” e de sociabilidade face à condição dominante da época, que teima em perdurar nesta espécie fim de tudo que habitamos. Idade terminal pronunciadora de enormes catástrofes, arrasta na sua queda os valores e as ideias, alicerces de qualquer sociedade humanista rumo a uma repelente trans-humanidade. Pesadelo que promove um gélido e idiota ser protésico: o andróide humanizado, o herdeiro da terra e mentor da saga iluminista que oferece a humanidade de barato, em sacrifício ao Deus Progresso, Pai da famigerada Modernidade e da sua colossal impostura.

 

É neste contexto que, penso, devem ser lidos estes dois livros: como núcleos de resistência humanista. Uma resposta de bem-humorada e fina ironia (Terapia dos Livros in FEP; e todos os contos de Encontros Improváveis de FP),dando-nos sinal positivo da subsistência e sobrevivência do sujeito soberano e imprevisível, capaz de alterar a actual condição e desafiar na sua anónima e épica luta as forças devastadoras que incautamente criou. Oxalá o consiga, no entanto, só a arte e a criação é capaz de proteger a individualidade e criar o distanciamento lúcido. Delas depende a compreensão necessária ao sentido de existência do Humano Sentidoque nestes dois livros é superiormente questionado e equacionado à luz de uma profunda e contemporânea visão.


José Bivar
Bela Mandil, 9 de Julho de 2013.

 

 


quarta-feira, 3 de julho de 2013

Leitura

 


«Encontros Improváveis» é o primeiro livro de ficção do historiador Fernando Pessanha. Na obra, e ao longo dos contos que a compõem, o autor vai tecendo enredos inventivos com imagens mais ou menos cristalizadas no tempo e espaço. Nesse âmbito, é notória a preocupação do autor para desconstruir visões unilaterais que costumam funcionar como base de preconceitos na sociedade dos dias de hoje, havendo nestes contos uma ponte entre o que é mundano e espiritual. Amplia-se aqui o processo perceptivo, a dialética enquanto instrumento de leitura capaz de levar o sujeito a compreender a multiplicidade e o lado híbrido das imagens. Ao longo da obra vemos constrangimento, diferentes enquadramentos e, claro está, situações insólitas, improváveis, sempre com muita acção e fôlego acelerado, com uma concessão, do meu ponto de vista benéfica, a um lado mais cinematográfico. Assiste-se também a uma permanente reflexão em que se indaga permanentemente a função do ser, a temporalidade e a existência no mundo. É porém uma reflexão indirecta, no sentido em que é o leitor que reflecte a partir das cenas, muitas delas fortes e com um final surpreendente e de ruptura com as próprias palavras até então. É a literatura enquanto devolução, mas com risco corrigido e calculado, espelho que movimenta o corpo apenas pelo olhar na sua direcção. Os temas são, alguns deles, fortes, mas sempre tratados com elegância, convidando o leitor a sentir a força das cenas, integrando, ele mesmo, os fantasmas e os medos de cada uma das personagens.

Tiago Nené